dailymotion-domain-verification-bf8367051eadca91-dmebea1o8ssgrxz1l Jacir Holowate: 29 de Novembro de 2010 stat counters

Audiencia do site

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Príncipio de Galileu ou da independência dos movimentos

O princípio de Galileu traz este nome (independência dos movimentos), pois esse princípio explica a independência dos movimentos de arrastamento e os movimentos relativos, ou seja, esses dois movimentos podem ser estudados separadamente, pois eles não dependem um do outro. Eles apresentam a mesma duração de Δt, porém, não dependem uns dos outros.

Vejamos um exemplo:


No exemplo acima, podemos considerar um barquinho em um rio, e dizer que a velocidade desse barquinho é Vrel, em relação às águas de um rio, que apresenta uma largura L. O ângulo ѳ, é o ângulo que fica entre Vrel , e a velocidade de arrastamento das águas. 

Princípio da independência dos movimentos - FÍSICA

Uma pedra se desprende de uma montanha e  rola pela encosta, chegando à beirada de um penhasco com uma velocidade horizontal Vo. em virtude dessa velocidade inicial ela vai atingir o solo em um ponto P:
a) Sabendo que a altura do penhasco é de 20 m e considerando g=10m/s², calcule o tempo em que a pedra gasta para se deslocar da beirada do penhasco até o solo.


b)Supondo que Vo= 6 m/s, calcule a distância percorrida horizontalmente pela pedra do penhasco ao solo.

EXPLICANDO

a)
Na direção vertical temos um MUV. Para determinar o tempo de queda podemos usar a equação:

H = gt²/2

20 = 10t²/2

20 = 5t²

t² = 20/5

t² = 4

t = √4

t = 2 s

b) Na direção horizontal temos um movimento uniforme. Portanto podemos utilizar a equação:

d = Vo*t

Substituindo os dados:

d = 6*2

d = 12 m





Não sei se vou conseguir te explicar muito bem, mas vou tentar...
O objetivo da Física não é o de complicar as coisas e, sim, o de procurar as respostas porque determinados fenômenos acontecem e, se possível, explicar isso de uma forma o mais simples possível.
Tomemos como exemplo, o seu caso da "pedra caindo".
Vamos supor que, antes do início da queda, a pedra se desloca num plano que é paralelo ao chão; ou seja, que a parte lá de cima do penhasco é um plano, lisinho e sem atrito.
O que faz com que a pedra caía é a ação da força da gravidade e esta atua perpendicularmente ao solo: ou seja, não existe qualquer contribuição da força da gravidade com qualquer tipo de movimento paralelo ao chão. Você mesmo nunca deve ter visto, por exemplo, os seus cadernos escorregando e caindo do centro de sua mesa por causa da força gravitacional, claro que tirando todos aqueles casos em que você inclinou esta mesa ou no qual esta não era paralela ao chão...!
No caso desta pedra caindo é a mesma coisa: a força da gravidade não afeta qualquer tipo de movimentação paralela que a pedra possue antes da queda. Se está pedra possue uma certa velocidade Vo paralela ao solo, está pedra continuará se movimentando neste sentido paralelo mesmo durante a sua queda.
A única coisa nova aqui é que ela começa a cair por ela não ter mais o apoio do penhasco, já que ela sempre esteve submetida ao campo gravitacional.
O que deve ficar claro aqui é que um movimento não tem nada a ver com o outro devido ao fato de a força gravitacional atuar de maneira perpendicular ao solo, portanto, não afetando qualquer tipo de movimentação paralela a este.

É isso

Princípios da dinâmica

1. (FATEC-SP) - Uma partícula de massa m é submetida simultaneamente e exclusivamente à ação de duas forças constantes perpendiculares e de mesma intensidade F. Calcule a aceleração da partícula.
 
   


2. (VUNESP) - A força de intensidade F atuando isoladamente no corpo de massa m produz uma aceleração resultante de módulo a. Se duas forças perpendiculares atuarem no corpo de massa m, conforme ilustra a figura, qual será a intensidade da aceleração resultante aR ?
 
     

3. (UNITAU) - Duas forças de 20 N cada uma atuam simultaneamente sobre uma partícula de massa 2,0 kg. Sabendo que as forças têm direção que formam ângulo de 120o, determinar:
    a) a aceleração da partícula;
    b) o ângulo formado entre a aceleração da partícula e uma das forças.
 
   
     

4. (FAAP-SP) - Um bloco de massa 8,0 kg é puxado por uma força de 20 N como mostrado na figura. Sabendo-se que a força de atrito entre o bloco e a superfície é de 2,0 N calcule a aceleração a que fica sujeito o bloco em m/s2.
     

5. (MED. ITAJUBÁ) - O bloco B, da figura abaixo, possui massa igual a 8,0 kg e está em movimento retilíneo sobre uma mesa plana e horizontal. A força, constante e de módulo igual a 18 N, aplicada sobre o bloco, é responsável pelo seu tipo de movimento. Sabendo-se que a aceleração do bloco é também constante, e vale 0,25 m/s2, qual será o valor da força de atrito entre o bloco e a mesa, medida em unidades SI?
 
     

6. (ENG. ALFENAS) - Sobre um livro de massa 2,0 kg atuam apenas três forças constantes: F1 = 4,0 N; F2 = 3,0 N e F3 = 5,0 N conforme o esquema a seguir, onde F1 e F2 são perpendiculares.
 
    Calcule:
    a) O módulo da força resultante sobre o livro.
    b) O módulo da aceleração adquirida pelo livro.
     

7. (FATEC-SP) - Um bloco está apoiado sobre uma superfície horizontal sem atrito e, inicialmente, em repouso. Aplica-se ao bloco uma força de intensidade menor que o seu peso, numa direção que forma um ângulo q (0o  θ 180o) com o eixo horizontal x.
 
    a) Qual a condição para que o bloco entre em movimento?
    b) Sendo m a massa do corpo, obtenha a intensidade da aceleração do bloco em função de F, m e q.