dailymotion-domain-verification-bf8367051eadca91-dmebea1o8ssgrxz1l Jacir Holowate: 29 de Abril de 2010 stat counters

Audiencia do site

quinta-feira, 29 de abril de 2010

nao quero piedade

Por favor nao venha com mentiras pelo amor de Deus
As mentiras e falsas promessas me fazem chorar
Se voce nao me quer eu aceito a realidade
Prefiro ouvir uma triste verdade do que mil mentiras para me agradar

Voce nunca fez um sacrificio pelo nosso amor
nao reclamo mas me deixa triste seu modo de agir
so espero que os seus carinhos nao sejam forçados
se for necessario morro apaixonado mas o nosso caso para por aqui

Nao, nao quero piedade, amor pela metade é pouco pra nos dois
Nao, nao repare meu jeito desculpe querida mas eu nao aceito ser feliz agora e sofrer depois

homem de pedra

Já fui um grão de areia todos pisavam em mim

Agora resolvi uma decisão

Não sou mais grão de areia, virei uma pedra bruta

De pedra transformei também o meu coração.


De pedra muito dura fiz pra sempre meu destino

De aço construí minha imaginação

O pranto dos meus olhos para sempre envenenei

Pra matar seu orgulho e a sua traição.




Sou um homem de pedra e não penso mais em nada

Foi o meu sofrimento que me fez ficar assim

Não amo mais ninguém e não quero se amado

E agora desse jeito quero ver quem pisa em mim.


Homem de pedra que não tem mais compaixão

Não tem alma não tem nada nem amor nem ilusão

E só assim acabou meu sofrimento

Sou agora uma estatua sem abrigo no relento.

Polícia

Marvada Pinga

Polícia

Tropa de Elite
Composição: Tony Belotto

Dizem que ela existe pra ajudar
Dizem que ela existe pra proteger
Eu sei que ela pode te parar
Eu sei que ela pode te foder

Polícia para quem precisa
Polícia para quem precisa de polícia
Polícia para quem precisa
Polícia para quem precisa de polícia

Dizem pra você obecer
Dizem pra você coperar
Dizem pra você tomar no cu
Dizem pra você filha da puta

Polícia para quem precisa
Polícia para quem precisa de polícia
Polícia para quem precisa
Polícia para quem precisa de polícia

Polícia para quem precisa
Polícia para quem precisa de polícia
Polícia para quem precisa
Polícia para quem precisa de polícia

Marvada Pinga

Inezita Barroso
Composição: Ochelsis Laureano

Com a marvada pinga
É que eu me atrapaio
Eu entro na venda e já dou meu taio
Pego no copo e dali nun saio
Ali memo eu bebo
Ali memo eu caio
Só pra carregar é que eu dô trabaio
Oi lá
Venho da cidade e já venho cantando
Trago um garrafão que venho chupando
Venho pros caminho, venho trupicando, xifrando os barranco, venho cambetiando
E no lugar que eu caio já fico roncando
Oi lá
O marido me disse, ele me falo: "largue de bebê, peço por favô"
Prosa de homem nunca dei valô
Bebo com o sor quente pra esfriar o calô
E bebo de noite é prá fazê suadô
Oi lá
Cada vez que eu caio, caio deferente
Meaço pá trás e caio pá frente, caio devagar, caio de repente, vô de corrupio, vô deretamente
Mas sendo de pinga, eu caio contente
Oi lá
Pego o garrafão e já balanceio que é pá mor de vê se tá mesmo cheio
Não bebo de vez porque acho feio
No primeiro gorpe chego inté no meio
No segundo trago é que eu desvazeio
Oi lá
Eu bebo da pinga porque gosto dela
Eu bebo da branca, bebo da amarela
Bebo nos copo, bebo na tijela
E bebo temperada com cravo e canela
Seja quarqué tempo, vai pinga na guela
Oi lá
Ê marvada pinga!
Eu fui numa festa no Rio Tietê
Eu lá fui chegando no amanhecê
Já me dero pinga pra mim bebê
Já me dero pinga pra mim bebê e tava sem fervê
Eu bebi demais e fiquei mamada
Eu cai no chão e fiquei deitada
Ai eu fui prá casa de braço dado
Ai de braço dado, ai com dois sordado
Ai muito obrigado!